Chef Moisés Basso indica como inserir a gastronomia sustentável na rotina

Ao fazer um bolo, você pode usar ovos, açúcar, manteiga, maçãs e bananas com casca… casca? É isso mesmo. Você não leu errado. Sim, é possível aproveitar a casca para preparar um bolo saboroso e nutritivo.

A utilização completa de frutas e legumes pode ser realizada com o uso de polpa, casca e sementes. Para preparar um bolo, é possível incluir na receita a biomassa de banana.  Após cozinhar a banana com casca, a polpa da fruta absorve nutrientes que seriam desperdiçados se a casca fosse simplesmente destacada.

Continue lendo

5 coisas que você pode fazer com a sua nota do ENEM

Quando a gente se prepara para fazer a prova ENEM sabemos que a nota do exame nos oferece várias oportunidades. Quando o resultado sai, é tanta notícia, tanta informação que fica difícil organizarmos as possibilidades temos. Não esqueça também de considerar as possibilidades divertidas!

Continue lendo

Realidade virtual: uma tecnologia presente no dia a dia das pessoas

Mesmo existindo há décadas e imergindo nos anos 1990, a realidade virtual está em grande expansão e, cada vez mais, presente no cotidiano das pessoas. É o que aponta a coordenadora do curso de Design de Games da UniRitter, Isabel Siqueira da Silva. Segundo a professora, os serious games, jogos voltados à educação ou ao treinamento em algum contexto específico, como, por exemplo, para treinar especialistas da área da saúde, vem se difundindo com bastante intensidade no Brasil.

Continue lendo

Hábitos alimentares saudáveis transformam vidas

Uma alimentação saudável influencia totalmente na saúde e no bem-estar das pessoas. É o que aponta a coordenadora do curso de Nutrição da UniRitter, Jacqueline Schaurich dos Santos. A busca por hábitos saudáveis é uma espécie de terapia. “Podemos recuperar e minimizar alguns desconfortos em função de algumas doenças que o paciente possa ter. É possível se prevenir, por exemplo, de diabetes, hipertensão e algumas enfermidades cardiovasculares”, diz.

Dentro dos bons hábitos alimentares, se encontra a temida dieta, que perdeu espaço para o plano alimentar, que é uma distribuição de alimentos de forma saudável, sem tantas restrições. “Anteriormente, o paciente realizava a dieta por um breve período, atingia os resultados desejados e, logo após, desistia. Hoje em dia, os nutricionistas trabalham com esse cuidado na reeducação alimentar. Assim, a pessoa consegue perder peso, tendo mais saúde de maneira progressiva e contínua”, comenta.

O sucesso da alimentação saudável está atrelado principalmente a uma composição adequada. “Não é somente se preocupar com a quantidade, mas também com a qualidade da alimentação. Muitas pessoas acreditam que, o alimento por ser natural, pode ser consumido à vontade. Um suco de laranja tem alto valor de calorias, logo não podemos tomá-lo à vontade. Por isso, é preciso buscar a sensação de saciedade, que pode ser mantida por meio da ingestão de alimentos em pequenas quantidades e distribuída em várias refeições durante o dia”, indica Jacqueline.

Para este período de estações mais quentes, na maioria dos casos, é o momento em que as pessoas tendem a ter um maior cuidado com a alimentação e o corpo. Para isso, a professora informa que é importante que seja ingerida uma alimentação à base de frutas e vegetais. “Além disso, o consumo de alimentos integrais são recomendados, pois possuem um baixo índice glicêmico e evitam o acúmulo de gordura na região abdominal. Para diminuir o índice glicêmico de alguns alimentos, como por exemplo a tapioca, podemos acrescentar ovos que são ricos em proteína ou cereais como a linhaça e a chia”, recomenda.

Alunos ajudam na reeducação alimentar da comunidade

Com um compromisso social, todas as terças-feiras, os alunos do curso de Nutrição da UniRitter estão ajudando a modificar os hábitos alimentares de muitas pessoas por meio de atendimentos nutricionais gratuitos. Nas consultas, os estudantes realizam exames físicos, avaliação antropométrica (composição corporal) e investigação alimentar. Os atendimentos ocorrem no Centro de Atendimento à Comunidade da UniRitter no Campus Zona Sul.

A aluna do 7º semestre do curso de Nutrição, Lara Franklin da Silva, 23 anos, comenta que o atendimento ajuda no desenvolvimento dela como profissional e também das pessoas que eles recebem.

No caso da sua colega de graduação, Brenda Ducatti, de 22 anos, esta é a primeira experiência com o atendimento clínico. “Gosto muito da área da antropometria e adorei fazer as medidas das dobras cutâneas da paciente. Fui questionada sobre a quantidade de calorias nos alimentos. Na realidade, o que as pessoas precisam mesmo se preocupar é em relação à composição dos alimentos, que fazem muita diferença para um hábito saudável”, informa.

Atendida por Brenda, a doméstica Elenice de Oliveira Lima, de 48 anos, aprovou o atendimento e mostrou-se otimista com a sua meta. “Achei bem interessante as informações que ela passou. Certamente, vão me ajudar a emagrecer de forma adequada”, comenta.

Já para o paciente José Vicente Dilélio de Lima, aposentado, de 72 anos, fala das suas expectativas sobre o atendimento nutricional.

MITOS X VERDADES

– Comer carboidratos à noite engorda?

Depende da quantidade de alimentos que vamos consumir. Se fizermos ingestões de grandes volumes, certamente engordaremos. Mas se tivermos um controle na quantidade e, na escolha do tipo de carboidrato, no caso, os integrais, a resposta é muito mais positiva e, consequentemente, é possível ter o controle no ganho de peso.

– Misturar dois tipos de carboidratos na mesma refeição é prejudicial?

Vai depender de qual é o objetivo da pessoa. Quando é redução de peso, a indicação é utilizar um alimento representante do grupo dos carboidratos (cereais ou vegetais do Grupo C) por refeição. Se pensar em carboidratos, os legumes  são uma opção. Por isso, depende da classificação do carboidrato, do valor de calorias que possui. O ideal é ter um representante dos grupos dos cereais, um das leguminosas e vários vegetais.

Já no caso dos vegetarianos/veganos, há necessidade de se fazer a mistura de vários carboidratos na mesma refeição. Dentro dos carboidratos, encontramos as leguminosas e os cereais e a combinação destes na mesma refeição ofertam aminoácidos essenciais que não são produzidos em nosso organismo e, por isso, precisamos recebê-los por meio dos alimentos. Aqueles de origem animal possuem em sua composição todos estes aminoácidos, o que não acontece de forma individual nos cereais e leguminosas.

– Doces devem ser banidos do cardápio?

Não precisamos banir radicalmente da nossa alimentação e sim buscar alguns doces mais saudáveis. Hoje em dia, existem várias receitas simples e saudáveis de bolos, mousses e muffins, que podemos utilizar e que são saborosos e atrativos, que provocam a saciedade. É claro que, no dia a dia, o doce deveria ser substituído pela fruta, o que seria o ideal.

– Beber durante as refeições é prejudicial?

Ingerir líquidos durante as refeições aumenta o volume do estômago, que é um músculo que vai cedendo. Quanto maior for o volume, maior esse órgão vai ficando. Consequentemente, isso vai gerando uma necessidade cada vez maior de uma ingestão de alimentos. Desta forma, corre-se o risco de começarmos a desenvolver o excesso de peso e a obesidade. O ideal é que não façamos a ingestão de líquidos junto com as refeições. O que é recomendável é que se beba algo antes ou uma hora depois ou que tomemos apenas pequenos goles de água ou de suco para evitar que se tenha um grande aumento do volume gástrico.

– Pular refeições engorda?

Quando temos o hábito de fazer cinco ou seis refeições por dia, mantemos o organismo em funcionamento e, com isso, o gasto metabólico será constante. Conseguimos então controlar a oferta e a demanda de calorias por meio dos alimentos e do fracionamento das refeições. Ainda, quando pulamos uma refeição chegamos com muita fome na próxima, fica muito mais difícil controlar a quantidade e a qualidade dos alimentos ingeridos, contribuindo desta forma para o ganho de peso.

Mercado da Moda – Paixão, dinamismo e dedicação

moda

Seguir uma carreira na moda requer muita dedicação, estudo e talento. Segundo a coordenadora adjunta do Design de Moda da UniRitter, Anne Anicet, vai muito além do gostar de se vestir. É um mercado concorrido e desafiador, e como todas as profissões, requer bastante estudo e dedicação, mas, ao mesmo tempo, traz muitas opções de caminhos a seguir. Nessa evolução de mercado, o Rio Grande do Sul tem se destacado como um polo da moda sustentável.

A professora Anicet destaca alguns pontos:

– Quais as características para se ter sucesso no mercado de moda?

Não tem a ver com gostar de se vestir. É preciso saber que vai exigir bastante dedicação. Tem que ser apaixonado por moda, pois é um mercado concorrido. O mercado hoje pede um profissional multifunção, que saiba desempenhar várias atividades. Cada vez mais as marcas estão com equipes mais dinâmicas e enxutas, bem como, se o profissional for empreender com marca própria, vai se deparar com essa realidade. Outra possibilidade é optar pela docência e fazer um mestrado. A UniRitter tem mestrado de Design, Moda e Inovação, um dos únicos do mercado com foco em moda.

– Fazer estágio durante o curso traz muita experiência e contato com a realidade. Para estagiar, qual o perfil mais procurado?

Para ser meu estagiário, por exemplo, o aluno tem que saber desenhar, costurar, modelar, tirar foto, tratar foto e fazer convite. Um pouco de tudo. Esse profissional é o mais valorizado atualmente.

-Quais os diferenciais do curso de Design de Moda da UniRitter?

Nosso curso proporciona aos alunos uma experiência acadêmica e prática completa. Isso significa ter contato com todo ciclo: buscar inspiração, desenhar as peças, fazer a modelagem (risco, corte), costurar e participar de toda produção do desfile. Geralmente, os demais cursos da área terceirizam a produção e aqui temos toda estrutura para que o aluno desenvolva sua criação na própria instituição. Além disso, o fato de fazermos parte da Laureate, um das maiores redes de ensino do mundo, torna possível aos alunos cursar um semestre em outra universidade no exterior. Já tivemos estudantes que foram para Espanha, Estados Unidos, entre outros países.

– Qual a tendência que o negócio da moda deve seguir?

A moda está cada vez mais democrática e inclusiva. Não existe apenas um estilo, são inúmeros. Mas o fato é que as pessoas estão mais atentas e há um movimento de comprar menos e comprar melhor. Peças atemporais e com design podem durar décadas. Não digo com isso que o fast fashion vai acabar, mas até essas grandes marcas desse segmento estão mais preocupadas com o consumo consciente. A cadeia da moda é muito complexa e os consumidores estão cada vez mais atentos às condições de trabalho de determinada marca aos materiais utilizados.

– Como o Rio Grande do Sul tem se inserido na moda brasileira?

Fiquei muito satisfeita ao ouvir de profissionais do mercado que o Rio Grande do Sul está se tornando um polo de moda sustentável, com várias marcas sendo criadas com essa característica. Ao mesmo tempo, o Rio de Janeiro tem um beach wear forte, São Paulo tem o street wear e Minas Gerais, os bordados. Nós estamos ficando conhecidos pela sustentabilidade, mas isso ainda está restrito às marcas, ainda não chegou ao grande público.

– Defina o que é moda para você?

A roupa e a maneira como compomos nosso look fala muito da gente. É a primeira imagem. Todo mudo precisa da moda para viver, para trabalhar. A roupa tem que se adequar aos diferentes momentos. A roupa correta é adequada para cada ocasião. Moda é essa expressão do estilo e do que estamos sentindo. Tem dias que queremos passar segurança, outros estamos mais voltados ao conforto. Os jovens, por exemplo, trazem a rebeldia, a música.

Bruna Ogawa – Aluna do curso de Design de Moda

Bruna Ogawa, aluna do curso de Design de Moda, também foi entrevistada:

– Como foi a experiência de criar uma coleção, produzir e preparar o desfile?

A oportunidade que a UniRitter proporcionou de criar, produzir e preparar um desfile foi incrível, uma experiência que vou levar pro resto da minha vida e tenho certeza que todos os meus colegas também vão. Já que muitos não pretendem trabalhar com criação, logo, não terão outra oportunidade como essa.

– Qual a sua expectativa para o desfile?

Será a primeira vez que o evento vai acontecer fora da faculdade, então as oportunidades que surgirão devido à visibilidade que o desfile vai ter me deixa com muita expectativa.

– O que mais gosta no curso de moda da UniRitter?

O curso tem uma estrutura muito boa. Ateliês impecáveis com tudo que precisamos para desenvolver os projetos, além de profissionais ótimos sempre dispostos a nos ajudar e com muito conhecimento.

Victória Kubaski – Aluna do curso de Design de Moda.

Já a aluna Victória Kubaski, também de Design de Moda, fala um pouco da sua relação com o curso:

– Qual o conselho que daria para as pessoas que pensam em cursar moda?

Estejam cientes que a moda é muito ampla e existem inúmeros ramos que podem ser seguidos dentro dela. Não apenas abrir um ateliê de vestidos de noiva. Saibam que apesar de ser um curso muito bonito, não se trata apenas de glamour e lindos desenhos, mas envolve muitos conhecimentos, trabalhos práticos, tem que ‘colocar a mão na massa’. Mas, para quem realmente gosta, é um curso muito prazeroso e interessante.

– Como a moda faz parte de seu dia a dia?

Antes de entrar na faculdade, confesso que eu nunca tinha realmente refletido sobre a influência da moda. Hoje em dia, percebo que é essencial, primitivamente falando, pois todos precisamos nos vestir e ter roupas adequadas para desempenhar nossas funções do dia a dia. Existem muitas pessoas envolvidas por trás de cada roupa que usamos, mas também percebo que a moda é uma forte ferramenta de expressão de quem somos, nossa personalidade e a maneira que vemos o mundo. É uma forma de comunicação.

– Qual a tua percepção sobre o que vai acontecer com o mercado de moda nos próximos anos?

A moda é muito forte na economia mundial e acredito que continuará crescendo, mas, cada vez mais, existe acesso à informação e isso aumenta as exigências dos consumidores finais. Por isso, creio que se tornará um ramo cada vez mais competitivo, o qual só ‘tem vez’ quem realmente se destaca e tem um olhar inovador, algo pra acrescentar.

Nota 5 até no Novo México!

Arte-Representantes-03por Mariana Oselame

Clique no mapa para ampliar

Santa Fé fica a exatos 9.289,18 km de Porto Alegre, a 2.134 metros de altitude, nas seguintes coordenadas geográficas: 35º 41′ N, 105º 56′ W. Se houvesse um avião com autonomia para voar por 20 horas, ele poderia fazer a viagem entre Santa Fé e Porto Alegre, já que seriam 19h40min de voo. Nessa viagem ele passaria por seis estados brasileiros (Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas), um oceano (o Atlântico, no Mar do Caribe e no Golfo do México) e dois países (Colômbia e México) até chegar aos Estados Unidos.

Tanta informação de relevância duvidosa para dizer algo muito importante: mesmo aqui, longe do Brasil, a boa notícia chegou – e foi muito comemorada pelos alunos, professores e funcionários que estão participando do ArtFest e do VEI (Vacation English Immersion). Afinal, ser uma instituição reconhecida com a nota 5 pelo Ministério da Educação é mais uma prova de que a excelência é o nosso foco!

Valeu, UniRitter!

TEDx Laçador passou por aqui!

TEDX_LACADOR

A semana passada foi super intensa na UniRitter e o motivo tem nome e sobrenome: TEDx Laçador, evento organizado de forma independente, voluntária e sob licença do TED – uma organização sem fins lucrativos com o seguinte propósito: ideias que merecem ser espalhadas. Funciona de maneira bem simples. São ciclos de palestras de no máximo 18 minutos, onde os convidados realizam discussões profundas e inspiradoras, principalmente no meio social.

Partindo desse conceito de inspiração e do tema desse ano do TEDx Laçador (Somos todos diferentes. Ser diferente não quer dizer ser desigual), a UniRitter desenvolveu uma intervenção cultural na semana do evento, mais precisamente na noite de 19/05, onde um grupo de dança apresentou uma coreografia que cobria diversos estilos musicais. Você pode assistir ao resultado no vídeo abaixo:

 

Se essa pequena intervenção já foi capaz de despertar alguma inquietação no público que assistiu, os palestrantes do TEDx Laçador foram além. Os dias 22 e 23 de maio foram repletos de conhecimento e histórias de vida capazes de transformar a mente de toda a plateia. Os palestrantes locais, nacionais e até internacionais contaram suas experiências e foram, em sua maioria, aplaudidos pelo público inteiro do Auditório Master em pé.

Avi Kluger, o primeiro a subir ao palco, falou: “A melhor forma de crescer é compartilhar minha história com quem quiser ouvir”. E isso é exatamente o que o TEDx Laçador estava proporcionando a todos. O primeiro dia de talks também contou com a participação de Biel Baum, um menino de 14 anos engajado com causas sociais e que é chef de cozinha desde os 8, ou seja, diversidade foi algo bem presente no palco. Jovens, adultos, brancos, negros, pesquisadores, cineastas e por aí vai.

TEDX_LACADOR_joelZito
O segundo e último dia chacoalhou os espectadores. Joel Zito falou com muita propriedade sobre como “o racismo no Brasil é o crime perfeito”. Jessé Andarilho, com toda a sua simplicidade e humildade, conquistou o público com sua trajetória de vida e a frase que arrancou sorrisos de todos: “Me falaram que eu precisava fazer networking. Ignorei isso e fiz amizades.”. Já Gustavo Mini apresentou a cultura-pop como uma ferramenta fundamental para o reconhecimento social.

Mas foram falas como a de Georgia Gabriela e Raíssa Müller, duas jovens pesquisadoras, que deixaram todos de “boca aberta”. Em ambas surgiu muito cedo a vontade de mudar o mundo. Com pesquisas totalmente diferentes, mas igualmente impactantes, ficou claro suas motivações e força de vontade para ir em frente apesar de todos os obstáculos.

TEDX_LACADOR_final
Sem dúvidas, todos os presentes no TEDx Laçador na UniRitter conseguiram cumprir os objetivos do evento: inspirar pessoas e espalhar ideias.

 

Festival de sabores agrada paladar dos alunos na Feira Ritter Gourmet

Tapioca, crepes, baguetes, tirashi e wraps. Em clima de verão, estas delícias saudáveis são servidas na Feira Ritter Gourmet – evento que faz parte da Feira de Negócios da Administração que iniciou no dia 3 de novembro. Os participantes são os estudantes da disciplina de Elaboração e Gerência de Projetos, do sétimo semestre. O desafio é montar o próprio negócio, bem como agradar o paladar do público. A expectativa geral é vender 4,2 mil porções.

Feira-Ritter-Gourmet-2014-(18)

Nos dois primeiros dias de Feira, o fluxo de vendas tem sido intenso e com sucesso de crítica por parte de alunos, professores e funcionários da UniRitter. Conforme destaca o coordenador do evento, o professor do curso de Administração, Paulo Abdala, essa é a oportunidade dos estudantes explorarem o seu lado empreendedor. “Eles estão fazendo desde a compra dos legumes até o controle de fluxo de caixa. Além disso, aplicaram recursos próprios, o que cria uma situação bem real de mercado”, destaca.

Antes da escolha do que servir, os grupos realizaram uma pesquisa de mercado com os acadêmicos da UniRitter para diagnosticar suas preferências gastronômicas. O resultado são cinco iguarias, com diversos tipos de preços. Os estudantes da Administração também criaram estratégias como combos com bebidas, degustações e agilidade no atendimento.

Na tenda #projetoverão, a especialidade são os wraps – sanduíches com recheio, envolvidos em um pão de massa fina. Estão sendo oferecidas opções com frango, salame e vegetariano.  O Crepe Coloré oferece cinco tipos de crepes franceses doces e salgados. Já a La Baguetteria apresenta uma boa variedade de ingredientes, com baguetes nos estilos Natural e Campeiro. A turma do Nafakú se inspirou no oriente e está servindo o tirashi (temaki sem alga), com salmão, cream cheese, entre outros temperos.  Por fim, a Oca da Tapioka, que optou por uma tradicional receita nordestina, com três tipos de tapiocas salgadas e três doces.

Ao final da Feira, a avaliação de desempenho dos alunos será feita de duas formas: resultado financeiro e pesquisa de satisfação. Com prancheta na mão para saber o que os estudantes estão achando das comidas, a aluna do sexto semestre de Administração, Pamela Porn, acredita que esta é uma ótima oportunidade de ver como funciona um plano de negócio. “No próximo semestre estarei envolvida nesta Feira e já estou projetando o que fazer”, comenta.

As orientações destas pesquisas ficaram a cargo dos integrantes da UniRitter Júnior. Também estiveram envolvidos no evento os alunos do Centro de Design, que fizeram toda a programação visual das tendas, e os estudantes da Nutrição, que ministraram cursos de boas práticas.

Feira-Ritter-Gourmet-2014-(21)

Feira-Ritter-Gourmet-2014-(20)

Feira-Ritter-Gourmet-2014-(19)

Feira-Ritter-Gourmet-2014(3)

Já experimentou algumas destas comidas? Vai lá e conheça as outras! Se não provou, não perca tempo! A Feira vai até esta quinta-feira, dia 6, sempre no horário das 18h às 22h, e está localizada no saguão do prédio A. Bon appetit!

SEPesq recebe um dos idealizadores da Constituição de 88

O auditório do prédio D estava completamente lotado e o clima era de total democracia. O advogado e jornalista, Fernando Ernesto Corrêa contou histórias dos bastidores de sua colaboração no processo da Constituição Federal de 1988. O evento ocorreu na última terça-feira, dia 22 e teve a mediação de Voltaire de Freitas Michel, professor do curso de Direito da UniRitter.

Fernando Ernesto Correa (450x300)

A liberdade de imprensa ganhou destaque na palestra. “Não pode ter ninguém que possa cortar a sua liberdade. Tem que ser livre politicamente e economicamente”, destacou Corrêa ao falar sobre Comunicação Social e Constituinte. Corrêa atua na área de comunicação há 60 anos: “Eu trabalhei para manter a liberdade de imprensa e a constituinte foi uma escola pra mim”, completa.

liberdade de imprensa 1

Antes do início da palestra, Corrêa e alguns convidados conversavam descontraidamente sobre política e futebol. Muito diferente do que acontecia na época da Constituição. “Os momentos foram todos complicados, eu vivi dois anos muito difíceis. Existia muita tensão”, afirmou Corrêa.

liberdade de imprensa 2

O estudante do 8º semestre de Direito, Breno Feijó, estava na plateia e comentou: “É sempre de suma importância ter contato e entender o pensamento de quem faz Direito, e não só limita-se a aplicá-lo”. O mediador da palestra, Voltaire Michel, também falou sobre a participação de Corrêa no evento: “A amizade é um dos grandes capitais que temos”, afirmou o professor.

liberdade de imprensa 5

Texto: Stheve Balbinotti, aluno de Jornalismo
Agência Experimental de Comunicação Integrada
Supervisão Docente: profa. Denise De Rocchi