Conscientizar para transformar:
ação da Engenharia Ambiental e Sanitária forma jovens eco educadores

Dificuldades estruturais, falta de saneamento básico e ausência de hábitos de conservação do meio ambiente são problemas recorrentes em muitas comunidades carentes nas regiões metropolitanas. Para iniciar uma mudança na comunidade do entorno da instituição, o curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da UniRitter criou o projeto de extensão Eco Educadores.

Com o objetivo de estimular a atuação de agentes de transformação da realidade socioambiental da comunidade, o projeto envolve a participação de professores, acadêmicos e alunos da rede de ensino pública nas proximidades da UniRitter.

Atualmente, fazem parte do projeto alunos da faixa etária entre 9 até 18 anos das escolas estaduais Paul Harris, Almirante Álvaro Alberto e Tom Jobim e das escolas municipais Vereador Martim Aranha e Loureiro da Silva. As escolas indicam seis agentes ambientais e os estudantes têm encontros semanais na UniRitter. O grupo depois relata suas atividades, conta sobre o andamento do projeto e também orienta sobre como participar de melhorias ambientais no contexto escolar.

Atividades para refletir sobre o meio ambiente

As atividades visam o emponderamento das crianças, para buscar de forma colaborativa com os acadêmicos e os professores a solução para os problemas socioambientais da comunidade. Primeiramente, é realizado um diagnóstico socioambiental, a partir da visão dos estudantes. Os jovens realizam entrevistas com moradores, usam ferramentas de geoprocessamento, elaboram mapas e maquetes do território e participam de oficinas sobre gerenciamento de resíduos sólidos e esclarecimento sobre legislação ambiental.

“Queremos colaborar na construção de novas competências dos estudantes da rede pública do entorno do campus Zona Sul da UniRitter, visando à formação de eco educadores, que irão atuar na multiplicação de boas práticas de conservação ambiental em sua comunidade”, destaca o professor John Würdig, coordenador do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária e do projeto.

Primeiros resultados e planejamento para o futuro

O diagnóstico realizado pelos participantes foi apresentado no 1º Diálogo Temático do Projeto Eco Educadores no qual as lideranças comunitárias, os patrocinadores do projeto e a comunidade acadêmica conheceram os resultados dos encontros. No evento, foi elaborado um plano de ação, com objetivos, metas e medidas para iniciar um planejamento para a reversão do cenário de disposição de resíduos sólidos na comunidade.

Além dos resultados que beneficiam a população e as crianças envolvidas, o projeto também é uma oportunidade diferenciada para os acadêmicos bolsistas de extensão. É o que destaca Patrícia Antunes Russo, estudante do 8º semestre do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária. “O Eco Educadores nos permite o contato direto com a realidade socioambiental de uma comunidade real, o que é uma oportunidade ímpar em meio ao curso”, comenta.

 

O que antes era cocô…vira água limpa!

A questão do saneamento básico é sempre levantada como uma das preocupações da saúde pública. Grande parte da população do planeta ainda não tem acesso a serviços de abastecimento de água, esgoto sanitário e coleta de lixo.

Porém, uma novidade, recentemente apresentada ao mundo, pode auxiliar no uso de tecnologias simples e sustentáveis. A inovação veio da Janicki Bioenergy, uma empresa de engenharia de Seattle, Estados Unidos.

A OmniProcessor transforma, em apenas 5 minutos, água contaminada de fezes em água limpa! Tudo acontece sem emissão de poluentes ou cheiros desagradáveis e, além disso, não gasta energia. Até Bill Gates deu uma bicada no líquido e fez cara de aprovação!

bill_agua_fezes

Gates afirmou que a água produzida pelo Omniprocessor é “tão boa quanto qualquer outra que eu tomei de uma garrafa. E tendo estudado a engenharia por trás dela, eu beberia ela todos os dias. É seguro.”

Bom…Depois dessa, a expressão da água pro vinho até nem parece mais impossível!

 

Veja como funciona todo o processo: