Você já sabe o que quer ser
quando crescer?

Quando estamos no ensino fundamental, uma de nossas ânsias é chegar no ensino médio. Nem imaginamos que com ele também vem a pressão da escolha do profissional que seremos “para o resto de nossas vidas”. Para alguns a decisão acontece de uma forma muito tranquila, para muitos nem tanto. Afinal de contas, como ter certeza sobre qual profissão seguir quando se tem 17 ou 18 anos?

Escolhendo o curso certo

O mais importante é saber que a primeira opção nem sempre é a escolha definitiva, que podemos mudar caso o curso não venha de encontro ao que queremos para o nosso futuro. Contudo, há algumas dicas que podem ser aplicadas antes da decisão e que ajudam na assertividade da carreira:

  1. Procure fazer o que você gosta ou a área com a qual você mais se identifica.
  2. Caso você goste de muitas áreas, busque por cursos que tenham mais a ver com as suas aptidões.
  3. Pesquise sobre o curso que você deseja ingressar: as possibilidades de carreira, salários, mercado de trabalho e não esqueça de dar uma olhada na grade curricular, é nela que consta a composição das disciplinas e que pode também lhe ajudar na hora de descartar algum curso.

Back view portrait of a female student walking in the city park outdoors

Em novembro do ano passado, a revista Ensino Superior trouxe dados sobre a escolha do curso. Através de uma pesquisa respondida por jovens de todo o país, se constatou que por mais que a escolha seja composta por uma série de aspectos, o principal continua sendo vocação, seguido por mensalidade, salário e proximidade à faculdade.

31,3% afirmaram que a aptidão foi o aspecto decisivo na eleição da carreira.
16,4% apontaram o valor da mensalidade como o motivo central.
13,8% responderam que o salário foi o critério de escolha.
11,1% optaram pela proximidade da faculdade

E depois que inicia o curso, como faz? Depois de ingressar na universidade é possível “testar” a teoria na prática através de estágios, grupos de pesquisas, trabalhos voluntários entre outros que oportunizam o seu encontro com o mercado de trabalho e consequentemente a ter mais certeza se esta foi a escolha acertada ou não.

Um centro para o bem-estar animal

DSCN9561

Inaugurado em 2016, o Centro de Saúde Veterinária UniRitter abriu suas portas com a proposta de ser uma referência nacional na prestação de serviços veterinários para pequenos animais. Para isso o local oferecerá especialidades clínicas veterinárias para consultas específicas, análises complementares e espaços privativos para diferentes espécies. Como também equipamentos modernos e sofisticados, com a preocupação em focar o animal de forma integral e não apenas parcialmente no momento da doença.

Dia Love Pets

Entre as atividades que o espaço realizou, uma delas foi a ação “Dia Love Pets” com atendimento clínico básico, desverminação e vacinação. Foram mais de 200 animais atendidos, de forma voluntária, pelos alunos do curso de Medicina Veterinária da UniRitter.

O Centro é destinado às aulas práticas, atividades de pesquisa e extensão e campo de estágio para os alunos da graduação. Muitos estudantes já estão aprendendo na prática, proporcionando os primeiros contatos com o público.

Durante o evento, que ainda contou com uma feirinha de adoção de cães e gatos, a comunidade pode conhecer  a estrutura oferecida pelo local: “É um espaço com equipamentos modernos, com três salas cirúrgicas completas e de tecnologia ponta. Com isso, garantimos um atendimento de excelência”, explicou a professora do curso de Medicina Veterinária, Mariana Teixeira. Maria Regina da Silva, tutora do cãozinho Nick, foi uma das pessoas que passou por lá e pode conferir de perto o atendimento prestado pelos alunos.

A evolução da Medicina Veterinária

O cuidado especial para assegurar o bem-estar e saúde dos pets também se reflete na evolução da Medicina Veterinária, que vem se desenvolvendo tanto na parte da tecnologia, como na capacitação em relação a procedimentos de diferentes complexidades. No campo profissional são várias possibilidades de atuação, como explica a coordenadora do curso, Viviane Guyoti.

Além disso, o ambiente contribui para que a população tenha acesso a serviços de qualidade, salvando diversas vidas animais.